Redações do Shuu #6: O Que o Mundo Diz


 O mundo esteve sempre preso no sistema binário da sociedade. A mesma sempre reage de forma hostil a qualquer "anomalia", não importando o número de animais, racionais ou não, como se fosse algo de outro mundo. Usam religiões para impor regras e leis sobre o coração dos outros. Coração não se escolhe, se procura, se encontra.
 A diversidade é uma polêmica dentro de qualquer tema: Sexual, religioso, étnico, cultural, educacional, racial, entre muitos outros. Ao mesmo tempo tempo que a sociedade significa família, união e um conjunto de diversas miscigenações de culturas, etnias, etc, ela também é um amontoado de discriminações, preconceitos e leis que nos impedem de ser quem somos e quem queremos ser, nos fazendo ser mais fechados, introvertidos, anti-sociais, caseiros e imprevisíveis.
 Todos nascemos com uma única visão: "Homem e mulher"; "beleza é tudo"; "tenho que emagrecer"; "a opinião dos outros sobre mim é o que mais importa"; "ninguém vai me amar se eu for gay, lésbica, trans, depressivo, gordo, maluco, frio, estranho, negro ou tiver Síndrome de Down; usar óculos; for leigo ou ignorante. Nascemos com várias pessoas nos mostrando o pesadelo de tudo isso: O padrão da sociedade. Pensamos que temos que ser e vestir coisas que os outros dizem que é o certo porque é o que eles querem e é com isso que eles se sentem bem.
 A sociedade generaliza que se você gosta de alguém do mesmo sexo que você, você é um anormal; se você é negro, significa que você é um bandido ou ladrão; funk é coisa de puta e favelado ; arrocha é coisa de gente que trai o(a) parceiro(a); rock é coisa do capeta; sertanejo é coisa de corno; pagode é coisa de bêbado; rap é coisa de pobre sem cultura; hip hop é coisa de marginal que mora no exterior; se você é branco, você é privilegiado, racista e filhinho de papai e mamãe; se você é gorda ou magra, então você precisa ser internada; se você usa óculos, então é nerd.
 Com o avanço da tecnologia, a comunicação ficou muito mais fácil, e muitas pessoas LGBTQIs, menos privilegiados, indígenas, etc, começaram a surgir. As pessoas encontraram uma brecha para mostrarem quem elas realmente são ou/e querem ser. O Youtube, por exemplo, tirou adultos, crianças e adolescentes de seus confortos e os levaram para um mundo mágico onde finalmente viram uma razão para viver: Se expor! Expor seu mundo! Suas escolhas! Suas conquistas e seus gostos!
 Hoje em dia, poucas pessoas se escondem. Agora, TODOS estão lutando por seus direitos e ideias. Agora, quando chamam um gay de bichona, viado, boiola e frutinha ele assenti dizendo "Sou mesmo e ninguém vai me mudar". Ou quando chamam uma mulher de puta ou piranha, ela responde: "Sou mesmo e com muito orgulho".
 É assim que tem que ser! Quanto mais deixarmos a sociedade nos reprimir, mais fracos ficaremos. Temos que ser como a água: Fluir apesar de todas as pedras (os obstáculos) e continuar fluindo, sem parar, sem se deixar ser parado por qualquer pedra minúscula.
 A sociedade mata, fere, levanta e derruba, mas todos temos que ser firmes e fortes para continuarmos fluindo e, se tiver chance, causar uma tsunami!

0 Comentários